PADRÃO COMENTADO

TERRIER BRASILEIRO (Fox Paulistinha)

(Terrier Brasileiro macho – Tricolor de Isabela – na foto com 10 meses)

O Terrier Brasileiro é uma raça de aparência quadrada, de médio para pequeno porte, onde um macho considerado grande, adulto, não pode ultrapassar dez quilos de peso e quarenta centímetros de altura na cernelha (cernelha é o ponto de união do pescoço com o tronco).  As fêmeas são menores, mas devem manter a mesma proporcionalidade e aparência quadrada.

Visualmente se observa um cão de contornos de linhas curvas, esbelto, bem estruturado que mostre robustez, sem exageros ou qualquer tendência que se deduza sobrepeso, obesidade ou estrutura muito pesada.  De aparência bem equilibrada, não pode ser e nem induzir desproporcionalidades; suas linhas perfazem um quadrado, medido da ponta do peito a ponta do quadril, e do pé (pata) à cernelha.

Temperamento é rácico, genético, e portanto definido. O comportamento é quase sempre absorvido pelos hábitos do ambiente em que vive.

A relação entre comportamento e temperamento é balizada pela educação e condicionamento imposto ao cão, já nos primeiros dias do filhote.

Um Terrier Brasileiro sempre será um cão de temperamento incansável, que demora para se cansar de atividades repetidas e também de atividades ocasionais; é alerta e portanto será percebido uma acuidade auditiva bem superior a média comparada a outras raças, além de ser observador e exímio farejador, pois estamos falando de uma raça que é utilizada para a caça de pequenos animais que se movimentam sobre o solo.

É portanto, uma raça de temperamento ativo, incansável, alerta e muito esperto, pois percebe através de suas habilidades sensoriais, o que é conveniente ao seu instinto natural de sobrevivência e liderança de matilha. Porém, estamos falando de um cão amigável com seus conhecidos, apaixonado pelos seus líderes (donos) e gentil com amigos, mas muito, muito mesmo, desconfiado com estranhos.

A cabeça de um Terrier Brasileiro, vista de cima, possui uma forma triangular; é mais larga na base, onde as orelhas são colocadas bem afastadas. As laterais vão se estreitando acentuadamente dos olhos até a ponta do nariz. A cabeça vista de perfil é percebido um contorno da linha superior que sobe da ponta do nariz até o stop (stop é o ponto de conexão do focinho no crânio, a linha de união percebida pela linha que sobe do focinho entre os olhos (vendo a cabeça de perfil); a linha de contorno do crânio é arqueada dos olhos até a base (osso occipital craniano).

A região craniana é composta por um crânio arredondado e com uma testa ligeiramente plana, As linhas laterais do crânio acabam sendo convergidas para os olhos, quando se olha de cima. A distância medida entre o canto externo do olho até onde as orelhas estão inseridas, é igual entre os dois cantos externos (ponta de fora do contorno do olho) medidos dos dois olhos.  O Stop deve ser pronunciado. A Trufa (ponta do nariz), apresenta desenvolvimento moderado e proporcional à cabeça, com narinas largas, e deve possuir coloração escura em relação a cor da pelagem.  O focinho quando visto de cima forma um triângulo isósceles, medido dos cantos externos dos olhos à ponta do nariz é forte, bem esculpido abaixo dos olhos e com uma depressão na base do focinho, que se percebe que se acentua em direção ao stop.  Os lábios são secos, sem exageros, e o lábio superior se ajusta perfeitamente sobre o lábio inferior, cobrindo perfeitamente os dentes, permitindo fechar a boca completamente. Os dentes perfazem 42 unidades, devem ser regularmente e corretamente implantados, bem desenvolvidos e a mordedura em forma de uma lâmina de tesoura, ou seja quando a parte interna dos dentes incisivos superiores tocam a face externa dos dentes incisivos inferiores.  As bochechas são secas e bem aparentemente desenvolvidas.

Os olhos são implantados de forma que se coloquem com uma igual distância entre a protuberância occipital e a ponta do nariz, moderadamente proeminentes, com formato arredondado e bem aberto, vivos e que aparentam uma expressão inteligente. Precisam ser tão escuros quanto possível em relação a pelagem.

Os tricolores de azul possuem olhos de cor cinza azulados, os tricolores de marrom possuem cor de olhos marrons, verdes ou azuis, e os tricolores de isabela, podem apresentar olhos de cor cinza azulado, marrom, verde ou azuis, e de cor âmbar, puxado do claro ao escuro.

As orelhas do Terrier Brasileiro são colocadas lateralmente na mesma linha dos olhos, e bem separadas uma da outra. As orelhas são em formato triangular e terminando em ponta. São orelhas portadas semi-eretas, com a ponta dobrada e voltada para o canto externo do olho. A orelha possui uma característica única que é a borda toda em coloração canela, como um contorno feito com tinta de outra cor, e a face interna também é colorida de canela.

O pescoço tem comprimento moderado, proporcional ao conjunto (cabeça, tronco e membros), e deve ser implantado à cabeça e ao tronco de forma harmoniosa. É bem definido, seco e com a linha que faz o contorno da sua parte de cima, ligeiramente curva. O tronco é bem balanceado, não pode ser muito pesado, com aparência quadrada como já foi mencionado no início, e linhas de contorno curvas e muito bem definidas.

A linha superior do tronco é firme e reta, e sobe discretamente em direção a garupa (quadril). A cernelha, por sua vez é bem pronunciada e ligada com harmonia aos membros anteriores (as patas da frente). O dorso do Terrier Brasileiro é curto, mas é bem musculoso. O lombo (pode ser medido como se fosse o vão entre a ultima costela e os ossos do quadril), é curto , firme, e muito harmoniosamente ligado à garupa.

O termo harmonia, harmonioso, harmoniosamente é recorrente justamente porque o Terrier Brasileiro é um cão cujo desenho é muito proporcional, sem desvios grosseiros de suas linhas gerais, que são linhas curvas.

A garupa, que  é o quadril propriamente, onde a cauda é inserida, é ligeiramente inclinada, bem desenvolvida e bem musculosa. A cauda é inserida na sua porção mais baixa. A cauda pode ser naturalmente longa e nesse caso a ponta da cauda não pode ultrapassar os jarretes 9os cotovelos trazeiros do cão),  denominamos cauda íntegra. Naturalmente curta, a qual denominamos braquiúros; e os cauda ausente, os quais são denominados anuros. A cauda é sempre vigorosa, inserida na garupa baixa, alegremente portada e quando longa, em suave curva e nunca enrolada sobre o dorso.

O peito é longo, profundo alcançando o mesmo nível que os cotovelos. As costelas são bem arqueadas e o esterno é moderadamente arqueado, com pronunciado e moderadamente largo que permita livre movimento dos membros anteriores (as patas da frente).  A Linha inferior ou popularmente chamada de barriga é ligeiramente curva, ascendente para os posteriores mas não exageradamente esgalgada.

Os membros anteriores ou patas da frente, vistos de frente são retos, moderadamente afastados, alinhados com os posteriores (patas de trás), que também são retos, mas mais afastados. Os ombros são longos (dimensão do osso), os braços são de tamanho aproximado da escápula (osso do ombro), formando com a escápula um ângulo aberto de mais ou menos 110º. Os cotovelos são colocados junto ao corpo, no mesmo nível da linha inferior do peito. Os antebraços devem ser retos finos e secos. O carpo (pulso ou munheca), são muito moderados, retos e finos, quase perpendiculares ao solo. As patas anteriores (pés), são compactas, nem viradas para dentro e nem para fora. Os dois dedos do meio são mais longos.

Os membros posteriores ou patas de trás, são fortes e musculosas, com coxas bem desenvolvidas, mais afastados do que os anteriores. Os joelhos moderadamente angulados e as pernas são proporcionais às coxas. Os jarretes, são moderadamente curtos e portados perpendiculares ao solo quando parado. Os metatarsos são retos e as patas posteriores são compactas com dedos mais longos que os das patas anteriores.

A movimentação do Terrier Brasileiro é uma movimentação elegante, livre, rápida e curta.

A pele do Terrier Brasileiro é bem ajustada, não é solta, e é seca. O pelo, é curto, liso, fino sem ser macio, e bem assentado na pele. A pele não pode  ser vista a pele através do pelo. O pelo é mais fino na cabeça, nas orelhas, na parte inferior do pescoço, nas partes internas e inferiores dos membros e face posterior das coxas.

O Terrier Brasileiro é um cão com três tons de cores claramente definidos: branco, preto/azul/marrom/isabela, e canela. É obrigatório, e somente três cores são aceitas juntas, nem quatro e nem duas cores, somente três. O Terrier Brasileiro é um cão de pelagem de fundo branco, que pode ser marcada ou mantada por pelagem de cor preta, ou sua diluição em tom acinzentado (azul como denominamos),  marrom, ou sua diluição que é denominada isabela (isabela é um tom de cor que paira entre o tom marrom e o azulado). Faixas ou marcas brancas são admitidas no sulco frontal e nas laterais do focinho, distribuídas o mais harmoniosamente possível.

 

  • Redigido por Marcello Alonso com base na leitura e interpretação do Padrão nº 341 de 04/07/2018 da CBKC/FCI.